Barroso determina o afastamento de Rodrigues por 90 dias

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Rodrigues Barroso determinou o afastamento de Chico Rodrigues (DEM-RR) pelo período de 90 dias das funções como senador. O parlamentar foi flagrado com R$ 30 mil entre as nádegas, durante a operação de busca e apreensão realizada pela Polícia Federal, em Roraima, na última quarta-feira (14). 

A determinação do STF ainda será enviada ao Senado, órgão responsável por dar o veredito final sobre o afastamento do parlamentar. 

Através de uma representação à Suprema Corte, a Polícia Federal solicitou a prisão preventiva do senador. A Procuradoria- Geral da República (PGR) se manifestou pela prisão domiciliar com monitoramento eletrônico, além da proibição de Rodrigues de manter comunicação com outros investigados. 

No entanto, Barroso rejeitou os dois pedidos de prisão, e determinou apenas o afastamento de Chico Rodrigues, do mandato de senador e a proibição de comunicação entre ele e os demais investigados na operação. O ministro do STF apontou a “gravidade concreta” do caso e afirmou que Rodrigues deve ser impedido de utilizar o cargo de parlamentar para interferir nas investigações. 

“A gravidade concreta dos delitos investigados também indica a necessidade de garantia da ordem pública: o Senador estaria se valendo de sua função parlamentar para desviar dinheiro destinado ao enfrentamento da maior pandemia dos últimos 100 anos, num momento de severa escassez de recursos públicos e em que o país já conta com mais de 150 mil mortos em decorrência da doença”, declarou Barroso.

“Pelas razões expostas, decreto o afastamento do Senador Francisco de Assis Rodrigues (‘Chico Rodrigues’) de seu mandato eletivo pelo prazo de 90 dias, com possibilidade de renovação, se necessária, bem como a proibição de contato com os demais investigados até a finalização do inquérito”, diz o documento.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *