Sem intermediários, custo do preço dos combustíveis pode reduzir

O presidente Jair Bolsonaro pedirá ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para acelerar a votação dos projetos que estão em tramitação na Casa sobre os combustíveis. O principal objetivo do governo é liberar a venda de etanol das usinas aos postos. Assim,  os intermediários do processo seriam excluídos, além de baratear o custo do combustível em R$ 0,20.

O governo está avaliando qual a forma mais prática para viabilizar a aprovação. Representantes do setor sucroalcooleiro estiveram reunidos com Bolsonaro e com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque nesta quinta-feira (16).

O presidente do Sindaçúcar de Alagoas, Pedro Robério de Melo Nogueira, declarou que “o presidente disse que é um projeto dele simplificar a comercialização de combustíveis em defesa do consumidor. Mas é um assunto complexo, que envolve agência reguladora e, eventualmente, o parlamento”. Ele estimou que “o presidente quer a via mais rápida, se é pelo Executivo, passando pelas agências, ou  se pega uma carona no processo legislativo. Para nós, pelo Congresso, a votação poderia ser concluída até março”.

Além disso, Nogueira afirmou que com a liberação, a venda direta irá impactar diretamente no preço final do combustível. “Imagina a quantidade de postos que existem perto de usinas no Brasil inteiro e não podem vender diretamente? Há situações em que a distância entre o posto e a usina é de 5 km, enquanto a base de distribuição fica a 200 km”, declarou.

 

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *