Dilma ainda persiste em ação judicial sobre impeachment

Michel Temer assumiu a presidência, o ex-presidente Lula passou 580 dias na prisão e Jair Bolsonaro foi eleito presidente e está criando um novo partido, passados exatos 3 anos e seis meses, a ex-presidente Dilma Rousseff continua batalhando para anular o processo que a tirou da Presidência da República. 

A petista já acumula várias derrotas no Tribunal. Defendida em seu caso pelo ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, na fase atual do seu processo ela espera pelo julgamento dos embargos de declaração com efeitos infringentes, uma espécie de contestação em que explicações adicionais sobre a decisão anterior são necessários e um novo julgamento é solicitado. Para Dilma, mesmo que a invalidação do impeachment não a leve de volta ao cargo, se o processo for reconhecido como fraude a ajudará a “restabelecer a verdade” sobre o que ela afirma ser “golpe parlamentar justificado por uma retórica manca”. O julgamento do recurso está programado para ocorrer no plenário virtual.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *